Torta de Abacaxi com Coco

Ano passado foi um ano bem complicado para a minha família, já contei por aqui sobre a maior perda das nossas vidas, meu querido Pai. E ele se foi numa época complicada, perto do meu aniversário, fim do ano. Daí a gente meio que fica cabisbaixo e não quer comemorar nada.

Tá que conhecendo meu pai, ele jamais deixaria a tristeza tomar conta dele desse jeito. Mas a gente não escolhe como sente as coisas, fazer o quê.

TORTA ABACAXI COCO

Bom, mas o ano novo pra nós sempre foi uma data importante, mais importante que o Natal, porque no dia 31 é aniversário da minha mãe. Daí a comemoração que já é bacana sempre tem um gostinho a mais.

Mas devido aos acontecimentos, como já disse, ninguém estava afim de comemorar nada. E então sem bolo, sem parabéns.

Daí eu resolvi fazer uma sobremesa que fosse a cara da minha mãe, pra deixar ela feliz, nem que a felicidade começasse pelo estômago.

Ela sempre, sempre fala de um sorvete da Kibon, que só tem como encontrar no verão, de Coco com Abacaxi, realmente é delicioso. Daí eu e o marido planejando o doce por aqui, resolvemos fazer uma torta baseada no tal sorvete.

E junta isso e aquilo, surgiu a torta, que ficou deliciosa e enche os olhos, como disse a comadre Roberta, quando experimentou.

Primeiro eu usei como base a idéia da torta de chocolate, que eu mostrei pra vocês um dia desses.

Misturei 1 caixa de mistura para bolo de limão (achei que o limão ia combinar com o resto e combinou, mas pode usar a mistura de bolo de abacaxi, de coco, ou até mesmo aquela sem sabor), 1 ovo e 2 colheres de margarina. Amassei bem até dar aquela consistência de farofa úmida. Forrei o fundo e as laterais de uma forma com fundo removível (24cm). Levei ao forno alto por mais ou menos 15 minutos, até dourar e deixei esfriando.

Para o recheio eu fiz um beijinho, levando ao fogo 1 lata de leite condensado, 1 colher de margarina e 50 grms de coco ralado. Mexi no fogo baixo, por mais ou menos uns 10 minutos, até que o fundo da panela começou a aparecer. Daí com o beijinho quente mesmo (fora do fogo) eu acrescentei 1 caixinha de creme de leite e mexi bem rapidinho pra não talhar. Feito isso eu abri 1 lata de abacaxi em calda, escorri a calda, piquei o abacaxi e misturei também no beijinho.

Quando a massa estiver fria ou pelo menos morna, coloque o recheio e leve à geladeira até esfriar completamente.

Para decorar eu usei chantily e mais 50 grms de coco ralado.

Se você não quiser usar o abacaxi em calda, pode descascar o abacaxi, tirar o miolo, fatiar e cozinhar ele com água e açúcar, até tirar a acidez, mas se eu fosse você, procurava bem e optava pela praticidade, o preço no fim das contas é quase o mesmo.

Se fizer, vem e me conta! Super beijo!


Torta de Chocolate

E lá no Natal… (nem vi o Natal passar, vocês viram pronde ele foi?)

Uns dias antes do Natal, chegou o tão esperado Licor que eu ganhei da Aurich…  E sério, é incrível! Quase que não sobrou pra sobremesa que eu estava planejando desde que eles me contaram do presente!

Mas com muito esforço eu consegui =)

Daí, já fazia um tempo que eu tinha visto uma receita no site do Mais Você. Dei uma super adaptada, porque a receita parecia ser mais doce do que tudo. E saiu essa delícia!

Super fácil!Torta de Chocolate

Torta de Chocolate com Licor

Misture bem uma mistura de bolo de chocolate pronto (de qualquer marca), 1 ovo inteiro e 3 colheres de margarina. Misture bem até dar aquele ponto de farofa úmida. Forre com essa massa o fundo e as laterais de uma forma de fundo removível (24cm). Reserve.

Derreta 1 barra de chocolate meio amargo (eu derreto no microondas, colocando de 30 em 30 segundos, até dar o ponto). Misture 1 caixinha de creme de leite, 1 lata de leite condensado, 100 ml de licor de chocolate (eu usei esse delícia de chocolate com morango da Aurich) e 1 ovo. Misture bem e despeje sobre a massa. Leve ao forno em baixa temperatura por 1 hora.

Aí vem a beleza! Pode comer quente ou gelado! Eu já comi das duas formas e ainda não me decidi qual fica melhor!

Se você for comer gelado, depois pra decorar, pode salpicar chocolate picado por cima, colocar uma cereja, morangos, o que você preferir.

O licor é opcional, porém eu achei que combinou maravilhosamente.

Façam e depois venham me contar! Beijo gente! Comentem!!!

PS: Antes que me perguntem, o recheio assa junto com a massa! Não precisa assar a massa antes!

PS2: Essa base de massa serve pra muita coisa, em breve vou mostrar mais receitas!


Novas experiências: Salgado e doce

Fonte: Getty Images

Fonte: Getty Images

Bom dia! Boa tarde! Boa noite! (tudo depende da hora que vocês estiverem lendo este post).

Essa semana aproveitarei a oportunidade que tenho aqui para relatar as experiências que vivo (ou melhor, sinto) quase todos os dias ao almoçar no restaurante do meu local de trabalho.

Acho pertinente relatar essa experiência, pois há muito tempo venho pensado em como gostaria de cozinhar, assim que me formar neste blog como uma cozinheira experiente. Sempre penso em que cara, estilo e sabor especial que gostaria que minha comida tivesse.

Gente, o lance é o seguinte, quando era mais nova eu não curtia muito essa parada de doce misturado com salgado, sei lá, tipo arroz com maçã, maionese com uva passa, enfim, venho curtindo muito essa mistura… em especial nos risotos. Onde eu trabalho a comida é toda pensada para a terceira idade, logo é uma comida sem muito sal, com tempero voltado para ervas, os doces todos preparados com frutas e muitos pratos também misturados com frutas. As frutas também são alimentos e vão muito bem com pratos salgados. Eu nunca imaginei que fosse gostar disso, muita gente no meu trabalho não gosta e eu conheço também muita gente que não acha bacana misturar esses dois tipos.

Na semana passada eu comi um risoto de quatro queijos e maçã verde, na semana retrasada eu comi risoto de abóbora, queijo parmesão e salada de manga com rúcula, gente, simplesmente divino. Pensando em uma identidade para minha culinária fui conversar com as nutricionistas do local e elas me falaram que tudo não passa de um grande” jogo de experimentação de quem gosta de comer, cozinhar e se preocupa com uma comida mais saudável”.

Há um tempo a dona da cozinha, que é muito minha amiga, vez um prato MARAVILHOSO sem usar muito sal, ela fez o tempero com alecrim e outros condimentos, achei o máximo aquele sabor especial, além de muito artístico. Esse lance de misturar doce com salgado também me chamou muito a atenção, sem falar que segundo minhas próprias impressões e segundo também estudos das nutricionistas que conversei, as frutas na comida, além de ressaltar o sabor de alguns alimentos diminuem a necessidade de se comer uma sobremesa muito calórica depois do almoço ou do jantar, “é como se você comece tudo junto e misturado literalmente, lembrando que você optou pelo melhor estilo de comida”.

Não sei o que vocês acham, mas também quero que minha comida seja arte, experimentação, sentido e acima de tudo, saudável. Sei também que esta mistura é muito polêmica, mais daqui pra frente vou pensar mais nessas misturas e conto tudo pra vocês, justificando sempre as minhas escolhas.

Ok, mas pra chegar até lá é necessário saber fazer o básico bem feito.

Planos futuros…


Abobrinha Refogada

Acordar cedo para fazer exame de sangue, jejum de 12 horas, dia super quente e o corpo meio mole, isso tudo antecedendo o seminário mais tenso de todo o semestre na faculdade. Mais mesmo assim a pausa para o almoço é sagrada, ainda mais depois de um jejum, que para mim, mesmo sendo de 30 minutos já é uma AMARGURA.

Gente, sabe aquele legume bem refogadinho na hora do almoço que acompanha o feijão e a mistura? Pois bem, essa será minha aventura, refogar é fácil, difícil é fazê-lo na medida certa. Vamos, lá!

Apresento a vocês a abóbora italiana que será uma abóbora italiana refogada.


Digo apresentar, pois para mim ela foi apresentada hoje, saber que ela era uma abóbora isso eu sabia, mais italiana? Porque italiana? Isso me faz pensar umas besteiras malucas e perversas, mais deixa pra lá, pelos menos a abóbora italiana me fez sorrir, mesmo sendo a que é um legume. (risos)


Modo de preparo:

Lavar e tirar a terra danada que essa bicha tem

Picá-la á seu belo gosto

Em uma panela, dourar no óleo o alho e a cebola, depois, acrescente à abóbora, mexa bem até essa dar uma baixada na bola.

Em seguida acrescente um copo americano de água, uma pitada de pimenta do reino e deixe a água secar e a abóbora amolecer, também a seu belo gosto.

E, pronto.

Tá uma delícia, apesar de que a minha pitada de pimenta acabou saindo mais do que uma simples pitada.

Até que ficou bonitinha, ha vá!


Doce…

Doce, ô palavrinha doce!

Que mulher não se joga aos seus pés, que criança não os tem na memória, que namorada que não pensa em você como agrado, que desesperado não encontra alívio no seu peito, que vó que não se parece com o seu efeito: doce…

Abraço automático.

Doce que te quero doce, pra minha vida ser mais doce, como doce de bata doce…

Fiquei maluca? Não exatamente, mas já dei as dicas da aventura de hoje:

Batata doce? Não, mas é doce, como nunca antes doce tratado nesta coluna:

Bolo de Cenoura, pra começar a semana com mais carinho e amor, o mundo precisa.  Quem pode fazer isso melhor do que um doce? Um bolo doce, de cenoura, com calda de chocolate!

Se não dá ainda pra mudar o mundo e amar as pessoas como um todo, agente faz um doce e oferece pra quem ama, tem quase o mesmo efeito.

Chega de doce né! Vamos ao que interessa nesta coluna.

Fucei no fundo do meu ser, consequentemente no fundo da minha casa, encontrei uma receita antiiiiiiiga de bolo de cenoura, pensei:

O papel dessa receita tá até gasto pelo tempo, a letra é de uma mulher jovem e casada recentemente (na época em que o papel também era recente). A letra, sim, é da minha mamãe.

É essa aqui, mesmo velhinha, (e inclusive mais velha que eu) é essa que vou encarar.

Dizem que doce é mais difícil de fazer, exige mais técnica, mas como tudo pra mim é novidade, a minha técnica vai ser à força de vontade e a cara de pau, técnica essa que de fato vem me ajudado bastante na cozinha, mais pra bem do que pra qualquer outra coisa.

Meu deus, como eu gosto de fazer doce, vamos lá de uma vez.

Ingredientes necessários para a massa do bolo:

  • 4 cenouras
  • 1 xícara de óleo
  • 3 ovos
  • 2 xícaras de farinha de trigo
  • 2 xícaras de açúcar
  • 1 colher (de sopa) de fermento em pó

No liquidificador bater as cenouras (que aprendemos a escolher e descascar no post passado), o óleo e os ovos (que por incrível que pareça ainda me sinto meio insegura para quebrá-los) até virar um creme, depois passe esse mesmo creme para uma tigela e misture aos poucos a farinha de trigo, o açúcar e o fermento em pó.

Dicas bacanas de quem não sabe:

É bem legal peneirar a farinha de trigo e, principalmente, o fermento em pó antes de acrescentá-los a receita.

Após tudo junto e misturado na tigela, unte uma forma (com margarina e farinha de trigo) para não grudar a massa do bolo, deposite a mistura nesta forma e mande ver no forno por cerca de 45 minutos.

Não tem jeito, toda vez que for fazer um bolo nessa vida vou lembrar-me da dona da letra da receita, minha mãe, dando-me a missão de untar a forma bem untada quando era criança, e eu era a pessoa que fazia isso melhor no mundo segundo ela,  também depois que o bolo ia para o forno, antes dela lavar a tigela, eu a lambia todinha com os dedos. Hoje não fiz isso, acho que não tem mais graça, mas adoraria ter um ajudante mirim para passar essa função. Deixa meu sobrinho vir pra cá na semana que vem. Nada tem mais gosto de infância do que um bolo recém saído do forno.

A cobertura

A parte que acho mais divertida, tá pensando o que? A cozinheira é inexperiente, mas a ousadia já vem de longa data.

Ingredientes

  • 1 lata de leite condensado
  • 4 colheres (de sopa) de chocolate em pó
  • 1 colher (de sopa) de manteiga

Leve toda essa galera acima para panela em fogo baixo até virar uma massa pastosa. Parece brigadeiro, mas não é, o ideal é ficar com o gosto e com o aspecto, mas não com a consistência. Mexa, quando começar a endurecer, desligue o fogo.

Depois de toda esta saga, deixe o bolo pós assado esfriar, este necessita estar mais frio para ser desinformando com toda aquela classe dos programas de culinária. (dica da mamãe agente não joga fora nunca).

Acrescente a calda (que ficou incrível por sinal).

E…

Fim…

Será minha aptidão maior para fazer doces?

Cenas dos próximos capítulos, epopéias, desastres e mais algumas boas experiências.

Obs: sempre tenho vergonha das fotos das coisas que preparo, pois o meu maior desafio é fazer ficar bom, bonito é outra parada. Mas até que meu bolinho ficou fotogênico!