Bife à Milanesa

 

Inédito na coluna Aprendiz de Cozinheira!!

Super desafio MASTER!!

Bater um bife na tábua e fazer à milanesa.

Será que irei conseguir passar por esta provação carnívora devoradora primitiva? Carne crua e gema de ovo tudo junto?

Ui! Vamos lá! Antes que eu me arrependa.

É uma velha receita da minha mamãe, segundo ela não há nada mais fácil no mundo, até meu sobrinho de três anos faz, claro né! Não é o couro deles que está sendo batido na tábua.

Aliás, receita é sempre importante pra tudo nessa vida de aprendiz, e não só para aprendiz, mas esta consciência vai virar um post especial futuramente. Agora vamos ao desafio MASTER radical.

Primeiro passo: a tábua e o martelo

Gente, se lava a carne né? Sim, claro, isso eu já sabia (…)

Ai meu Deus, como será que era a cara desse boizinho quando vivo???!!!

Temperar a carne (no caso optei por contra filé) com alho (três dentes de alho para quatro bifes), sal, vinagre e pimenta do reino.

Gente!!! Tá sendo muito difícil pra mim mexer com carne…

Passado o sufoco, hora de fazer a “cobertura”.

Em um prato, bater um ovo como se fosse fazer omelete. Colocar uma pitada de sal para a massa ficar mais crocante (é a receita que tá dizendo).

Depois se mergulha o bife na gema e na clara batida para assim o mergulhar na farinha de rosca, sem dó, para ele ficar todo coberto que nem agente quando brinca de se enterrar na areia da praia.

Levar o bicho manso pra fritar na frigideira, em fogo baixo e com bastante óleo. Se frita o bife só com o óleo já bem quente. Não sei por que, mas na receita tá assim, então só digo amém e repasso a dica.

Dá medo total fritar os bifes, mas é legal quando se passa pelo desafio. O lance é frita-los até estes ficarem com cor de “mel”.

Acabouu!! Tá incrível e até bonito. Vou devorá-los com uma cervejinha.

Afinal, essa vai bem com tudo.

Poxa, foi divertido, mais foi tenso, apesar de que nem me lembro mais de me lembrar da cara do boi.


Identidade Gastronômica

Há uma razão de ser esse programa chamar-se Intercâmbio. Essas últimas semanas na escola foram exatamente isso, ou seja, eu tive a oportunidade de conhecer um pouco da cultura, hábitos e trejeitos de franceses, venezuelanos, coreanos, japoneses e até suíços, e eles um pouco de mim, encarregada de ser o exemplo de um brasileira – aqui a minha ressalva, eles dizem que de brasileira eu nada tenho, mas, eu sou, nascida e criada em São Paulo e apesar dos pesares, tenho muito orgulho disso.

Enfim, quando falamos em cultura e hábitos, uma das primeiras coisas que claro nos vem a mente é: Qual é o prato típico do seu país? Da nossa parte a resposta é sempre Feijoada, mas, seria isso mesmo, quantas vezes comemos feijoada durante o ano, quantos de nós sabe realmente prepará-la, eu não sei ! Então, a segunda resposta é: arroz, feijão, bife, batata frita e salada, e quando dizemos isso, eles não compreendem por que é um prato tipicamente brasileiro, já que aqui eles também comem feijão, não é como o nosso, é um de latinha, mas, igualmente pode ser servido com arroz que também está sempre na mesa dos japoneses – você vê a dificuldade de se denominar prato típico? Italianos comem massa, mas, você brasileiro natural de São Paulo, me diga o que não pode faltar na sua mesa aos domingos? Depois de muito debater chegamos a conclusão óbvia: Numa sociedade globalizada, acabamos por perder um pouco da nossa identidade para receber um pouco de todas e assim chegamos a outro ponto: Churrasco, sim esse é o prato típico brasileiro. A forma de preparo, como é servido, não encontramos nada parecido, inclusive o gosto da nossa carne é único, como já disse antes, aqui não comemos carne de tão diferente (e ruim) que a carne Irlandesa é.

Assim sendo, depois desse debate, nada melhor do que vivenciar as outras culturas, degustando o que de melhor há em cada culinária.

Identidade

Em uma tarde convidei os meus amigos suíços para cozinhar, um prato simples e típico da Suíça. E eles preparam o Älpermagarone que basicamente para nós é um macarrão com creme de leite, queijo, presunto. Realmente acho até que é bem inserido na nossa cultura, não é nada de outro mundo, simples e delicioso para que gosta de massa.

Hoje na escola foi a hora e a vez de experimentar um prato tipicamente Venezuelano, a tal Arepas. Uma espécie de pão recheado de queijo e presunto, mas pode se inventar outros recheios. É um prato bem comum por lá e pode ser servido a qualquer hora, foi o que eles disseram.

Identidade

Agora que já tenho o tempo contado para o fim da minha aventura pela Europa, sinto que esses tempos de troca foram o mais importante de tudo. Na vida por vezes separamos as pessoas por finalidade ou qualquer outra razão que possa parecer lógica, entretanto, aqui a gente aprende na prática a respeitar e aprender sobre as diferentes culturas, vivenciando essa pluralidade toda, pondo de lado os nossos pré-conceitos por que aqui você sabe que é uma oportunidade e não um dever.

E por essas duas semanas fantásticas que tive por aqui a música que fica é Music when the lights go out do The Libertines. Até logo menos !


Lasanha de Frango

Hummm, só ao lembrar o gosto dessa lasanha já abro um sorriso! Eu amo lasanha de frango, gosto dos outros sabores também, mas de frango é a minha preferida! Sei lá, amo frango! É a minha carne preferida também!

A receita é muito simples!

  • 1 kg de peito de frango cozido, desfiado e temperado
  • 500 ml de molho de tomate (não precisa ser encorpado, pode ser ralinho)
  • 500g de Mussarela ralada ou em fatias
  • 1 pacote de massa de lasanha, dessas que vão direto ao forno

Lasanha de frangoO preparo é simples, o normal da montagem de qualquer lasanha.

Forre o fundo de uma travessa (grande) com molho quente, coloque a massa da lasanha e molho novamente. Daí intercale sempre assim: Frango, queijo, massa, molho, finalizando com massa e queijo.Lasanha de frangoLasanha de frango

Forre a travessa com papel alumínio e leve ao forno pré-aquecido por 20 minutos (a massa que eu usei pede apenas 12 minutos, mas eu fiz em 20 mesmo!), em temperatura alta. Tire do forno e espere 5 minutos para servir.

Sirva bem quentinha!

Dica: Se você quiser um recheio mais cremoso, adicione 1 ou 2 potes de requeijão ao frango, também fica muito bom!

E Aí? Gostou? Vai fazer? Deixa um comentário e me conta!


Doce…

Doce, ô palavrinha doce!

Que mulher não se joga aos seus pés, que criança não os tem na memória, que namorada que não pensa em você como agrado, que desesperado não encontra alívio no seu peito, que vó que não se parece com o seu efeito: doce…

Abraço automático.

Doce que te quero doce, pra minha vida ser mais doce, como doce de bata doce…

Fiquei maluca? Não exatamente, mas já dei as dicas da aventura de hoje:

Batata doce? Não, mas é doce, como nunca antes doce tratado nesta coluna:

Bolo de Cenoura, pra começar a semana com mais carinho e amor, o mundo precisa.  Quem pode fazer isso melhor do que um doce? Um bolo doce, de cenoura, com calda de chocolate!

Se não dá ainda pra mudar o mundo e amar as pessoas como um todo, agente faz um doce e oferece pra quem ama, tem quase o mesmo efeito.

Chega de doce né! Vamos ao que interessa nesta coluna.

Fucei no fundo do meu ser, consequentemente no fundo da minha casa, encontrei uma receita antiiiiiiiga de bolo de cenoura, pensei:

O papel dessa receita tá até gasto pelo tempo, a letra é de uma mulher jovem e casada recentemente (na época em que o papel também era recente). A letra, sim, é da minha mamãe.

É essa aqui, mesmo velhinha, (e inclusive mais velha que eu) é essa que vou encarar.

Dizem que doce é mais difícil de fazer, exige mais técnica, mas como tudo pra mim é novidade, a minha técnica vai ser à força de vontade e a cara de pau, técnica essa que de fato vem me ajudado bastante na cozinha, mais pra bem do que pra qualquer outra coisa.

Meu deus, como eu gosto de fazer doce, vamos lá de uma vez.

Ingredientes necessários para a massa do bolo:

  • 4 cenouras
  • 1 xícara de óleo
  • 3 ovos
  • 2 xícaras de farinha de trigo
  • 2 xícaras de açúcar
  • 1 colher (de sopa) de fermento em pó

No liquidificador bater as cenouras (que aprendemos a escolher e descascar no post passado), o óleo e os ovos (que por incrível que pareça ainda me sinto meio insegura para quebrá-los) até virar um creme, depois passe esse mesmo creme para uma tigela e misture aos poucos a farinha de trigo, o açúcar e o fermento em pó.

Dicas bacanas de quem não sabe:

É bem legal peneirar a farinha de trigo e, principalmente, o fermento em pó antes de acrescentá-los a receita.

Após tudo junto e misturado na tigela, unte uma forma (com margarina e farinha de trigo) para não grudar a massa do bolo, deposite a mistura nesta forma e mande ver no forno por cerca de 45 minutos.

Não tem jeito, toda vez que for fazer um bolo nessa vida vou lembrar-me da dona da letra da receita, minha mãe, dando-me a missão de untar a forma bem untada quando era criança, e eu era a pessoa que fazia isso melhor no mundo segundo ela,  também depois que o bolo ia para o forno, antes dela lavar a tigela, eu a lambia todinha com os dedos. Hoje não fiz isso, acho que não tem mais graça, mas adoraria ter um ajudante mirim para passar essa função. Deixa meu sobrinho vir pra cá na semana que vem. Nada tem mais gosto de infância do que um bolo recém saído do forno.

A cobertura

A parte que acho mais divertida, tá pensando o que? A cozinheira é inexperiente, mas a ousadia já vem de longa data.

Ingredientes

  • 1 lata de leite condensado
  • 4 colheres (de sopa) de chocolate em pó
  • 1 colher (de sopa) de manteiga

Leve toda essa galera acima para panela em fogo baixo até virar uma massa pastosa. Parece brigadeiro, mas não é, o ideal é ficar com o gosto e com o aspecto, mas não com a consistência. Mexa, quando começar a endurecer, desligue o fogo.

Depois de toda esta saga, deixe o bolo pós assado esfriar, este necessita estar mais frio para ser desinformando com toda aquela classe dos programas de culinária. (dica da mamãe agente não joga fora nunca).

Acrescente a calda (que ficou incrível por sinal).

E…

Fim…

Será minha aptidão maior para fazer doces?

Cenas dos próximos capítulos, epopéias, desastres e mais algumas boas experiências.

Obs: sempre tenho vergonha das fotos das coisas que preparo, pois o meu maior desafio é fazer ficar bom, bonito é outra parada. Mas até que meu bolinho ficou fotogênico!


Pão de Manteiga

 

Ingredientes

***medida do copo 240 ml

  • 1 copo de leite
  • 1 ovo
  • 3 colheres de sopa de manteiga
  • 1/2 colher sopa de sal
  • 2 colheres sopa de açúcar
  • 3 copos + 2 colheres sopa de farinha de trigo (ou um pouco mais, se necessário)
  • 2 colheres chá de fermento biológico seco

2014-07-10_11-55-34

Modo de Preparo

Coloque todos ingredientes na Máquina de Fazer Pão, seguindo a ordem acima. Se for assar na máquina, selecione o ciclo doce. Se não selecione o ciclo amassar, após o término do ciclo, molde e deixe descansar por 30 minutos. Asse em forno pré-aquecido em temperatura média por 20 minutos ou até dourar.

Não tem máquina de fazer pão? Não tem problema! Clique aqui e saiba como fazer!