Cozinha na TV – Jamie Oliver

Jamie Oliver é o cara!

Barack Obama que me perdoe, mas o Jamie ‘is the man’! Vamos começar pelo que vi, acho que o primeiro programa que assisti dele foi algum episódio do Jamie’s Kitchen, onde ele criou um restaurante para ensinar quinze desempregados e moradores de rua a cozinhar, depois vi vários episódios do Jamie at Home, onde ele mostra sua horta particular, onde planta de tudo! Lembro também de alguns episódios que acho que são do Happy Days with the Naked Chef, onde ele cozinhava pratos rápidos para amigos e também teve um onde ele fez as comidas para a festa da irmã.

Cozinha na TV – Jamie Oliver
Cozinha na TV – Jamie Oliver
Cozinha na TV – Jamie Oliver
Cozinha na TV – Jamie Oliver

O último episódio que assisti é do Jamie’s American Roadtrip, onde ele cruzou o EUA num motorhome, conhecendo diversas culturas culinárias dos norte-americanos, comeu com descendentes de índios e participou de um campeonato de churrasco junto com uma família. Um detalhe muito legal, é que ele chamou um cara para ajudar que é especialista em assar um porco inteiro durante a noite toda!!

Jamie é o típico gente boa, meio tímido mas sem ser introspectivo, nessa viagem pelos EUA conversa muito com as pessoas e mostra bastante do estilo de vida delas, fazendo uma ligação interessante com o que comem. De longe o programa mais legal que vi dele.

Mas você deve estar se perguntando, porque ele é o cara?

Ele simplesmente redefiniu a merenda escolar da Inglaterra. Simples assim. Na época ele só tinha feito programas no estilo típico dos de culinária, atrás de uma bancada preparando os pratos do dia, quando resolveu mostrar como era possível transformar a merenda escolar em algo bem mais nutritivo e sem gastar mais. Foi uma verdadeira revolução, que gerou campanhas por toda Inglaterra e melhorou a comida das crianças! Mais recentemente, ele lançou outra campanha, a Food Revolution, dessa vez para transformar uma cidade inteira no EUA, onde de acordo com as estatísticas é a cidade mais ‘não saudável’ do país. Será que conseguiu? Preciso assistir!

Enfim, o Jamie é o meu programa de culinária preferido, não importa qual… adoro jeito dele de cozinhar e levar os programas. Sempre bem-humorado e com aquele inconfundível sotaque britânico. Recomendo todos!


O bolo que deu errado ou o Pavê que deu certo!

Bom, pra começar, tenho que contar que esse bolo pavê se tornou uma aventura!

A história começa quando uma amiga, insatisfeita com o início de 2011 (creio eu), me chamou para dar um Restart no Ano…

O meu ano, até que tinha começado bem… Mas eu acredito que sempre pode ficar melhor, certo? Então vamos lá… Topamos qualquer parada, ainda mais pra agradar quem se ama 🙂 .

O que eu iria fazer para a nossa ceia:

  1. Pernil
  2. Torta de Ricota
  3. Bolo de Chocolate (já que toda sobremesa que a amiga come, tem que ter chocolate)

Ok, tudo bem com os dois primeiros itens.

Na hora do bolo, a louca aqui resolveu inventar… Peguei uma forma de bolo das mais velinhas que eu tenho e testei pra ver se o antiaderente ainda funcionava. Só que quando eu comprei, não sabia que essas coisas não deviam ir na lava-louças… E essa forma já foi… Inúmeras vezes.

Bom, aconteceu exatamente o previsto. O bolo não saiu de jeito nenhum, aliás, até que saiu, mas em pedaços, vários pedaços.

Pra não perder o bolo (que eu experimentei e estava delicioso) resolvi inovar. Daí nasceu meu Pavê de Chocolate… Certo, não é um Pavê propriamente dito, mas a receita é minha e eu dou o nome que eu quiser… né? 😉

O bolo que deu errado ou o Pavê que deu certo!

Pavê de Bolo de Chocolate (da Rafa)

Forre o fundo de uma travessa com os pedaços do bolo. Cubra com o brigadeiro. Mais uma camada de bolo. Uma camada de Chantily. Última camada de bolo e por fim cubra com ganache de chocolate, que nada mais é do que a barra de chocolate derretida por 1 minuto e meio no microondas e misturada com o creme de leite.O bolo que deu errado ou o Pavê que deu certo!

Gelado e no dia seguinte, fica muito melhor!

É isso… foi assim que eu criei meu pavê!


Meu Kit Wow Nutrition

Tô ficando muito mimada pro meu gosto (mentira! quero mais presentes!) Olha que delícias que eu recebi da Wow Nutrition! Pra confessar, tinha um pouco de receio dos Chás Verdes, Brancos, Etc! Mas paguei a língua! Tomei o chá verde com Romã rapidinho, ainda não experimentei os outros sabores, mas esse já me conquistou!

Nem preciso comentar nada sobre os adoçantes da Doce Menor, sempre usei e nem quero saber de açúcar em bebida nenhuma.

As gelatinas e pudins já tem um destino… Em breve trago receitas!

Fora as maravilhas que fazem tão bem, eu ganhei junto essa Eco-Bag lindaaa e super resistente!!

kit wow nutrition


kit wow nutritionOs feijões mágicos eu já plantei! Espero que cheguem até o céu! 🙂

Concorra a 1 kit de chás Feel Good! http://conversanacozinha.com/2011/01/promocao-feel-good/


Palha Italiana

Sabe aqueles dias que a vontade de comer chocolate bate forte (pra mim, quase todos os dias)? De vez em quando, o simples brigadeiro não resolve, tem que ser algo mais elaborado, mais “chique”. Mas passar muito tempo na cozinha, derretendo chocolate, fazendo aquela bagunça, aquela sujeira? Ah, não!!!

Que tal a Palha Italiana?

Uma receita simples e de-li-ci-o-sa!!!

Ingredientes:

  • 1 lata de leite condensado
  • 8 colheres (sopa) de chocolate em pó
  • 1 colher (sopa) de margarina
  • 1 pacote de bolacha maisena

Modo de fazer:
Pique a bolacha em pedaços pequenos e reserve. Junte todos os outros ingredientes em uma panela e faça um brigadeiro. Quando o brigadeiro começar a soltar do fundo da panela, misture a bolacha até formar uma massa. Passe margarina em uma bancada de mármore ou superfície lisa e fria, e despeje a massa nela. Espalhe bem, batendo com a palma das mãos (vai estar bem quente, cuidado, hein? hehehe). Deixe esfriar e corte em quadradinhos. Eu salpiquei chocolate em pó por cima, mas ficou MUITO forte. Vai do gosto de cada um. Também dá pra comer a massa de colher!! =9

Queria muito passar essa receitinha aqui. Pra quem é apaixonado(a) por doce, é uma receita que vai agradar muito! E arrancar elogios (as pessoas acham que é difícil. Hahaha. Até meu pai me perguntou onde aprendi fazer essas coisas gostosas. :P)

Espero que tenham gostado da diquinha de culinária rápida e gostosa de hoje. Quarta-feira que vem estarei aqui novamente. Beijos! :*


Filé de Frango Grelhado e a 2ª Vitória

Depois do arroz e do feijão, sempre vem à “mistura” não?

Filé de Frango Grelhado

Pegar uma parte do bicho e descongelar, se necessário (Nesta experiência eu optei pelo peito do frango).

Gente, esse é o meu maior desafio na cozinha, eu morro de nojo de carne crua, e o barulhinho que faz quando agente manuseia aquele negócio? É complicado. Imaginem meus amigos, há algumas semanas atrás eu confessei a vocês ter nojo do cheiro do alho e da cebola na mão, quem dirá de carne crua, e do cheiro da carne crua, e do sangue que espirra no rosto. Se eu passar por isso, agora sim, eu acredito que posso aprender a cozinhar. Outro detalhe, geralmente eu nunca penso que aquilo ali é um animal morto, mas quando vejo a carne crua, aí sim eu lembro, e muito, sinto dó do falecido, nojo, passo a me sentir horrível e penso que vou virar vegetariana na seqüência de comer aquele prato, mas ai, eu experimento aquele franguinho com salada… Bem, futuramente eu opto pelo vegetarianismo, afinal de contas, cadeia alimentar e proteínas são uma realidade posta minha gente! Tá aí para lidarmos com ela.

Pegar a parte escolhida do bicho e temperar com dois dentes de alho, uma colherzinha pequena de sal e algumas pequenas pitadas de pimenta do reino (lembrando que todas as minhas medidas são puramente experimentais).

Não sei se é necessário lavar a carne antes de temperar, na dúvida, eu dei uma lavadinha sim, com muito sabão (brincadeira, mas sei que vocês acreditariam nisso, vindo da minha parte). Na realidade, eu apenas molhei o bife e coloquei no prato de novo, isso de intuição, porque eu nem sei se isso se faz e quais são as conseqüências disso, se assim ele fica mais fofo, mais bonito, mais cheiroso, enfim…

Esfregar o bife no tempero, virando ele de um lado pro outro, é assim né?

Não façam como eu que acredita que pimenta do reino é atitude e vai bem com tudo sempre em grandes quantidades, às vezes acho que deveria me arriscar a fazer comida indiana. A minha mão sempre coça para colocar mais sal.

Eu sempre achei que o tempero da carne era só na hora que esta ia pra panela, mas não, é necessário temperar antes, aguardar alguns minutos para este pegar o tempero e, só a partir daí, mandar ver na frigideira.

Na frigideira, refoga-se o bicho, em fogo médio, com óleo, margarina ou azeite, (No caso, eu optei por margarina), até dourar, assim acredito eu (risos), girando esse de vez em quando para dourar de ambos os lados.

Este momento sempre me causa um pouco de insegurança, pois eu nunca sei quando a carne não está mais crua, e oferecer algo cru para alguém comer é horrível. Não é? Eu não sou a Bela do crepúsculo que namora um vampiro, e para mim, a única forma de ver se não está cru é:

Comendo ou cortando o negócio na frigideira mesmo, e claro, sentir o cheiro também ajuda, agora que já tenho esse sentido mais apurado na cozinha.

É incrível como o bife encolhe depois de grelhado.

Minha mãe fala sempre para não esperar muito para servir, se não este fica duro demais.

Um post simples, sem maiores crises, somente as existenciais, que já me são peculiares, independentemente do que eu esteja fazendo. O legal, ou péssimo, depende do ponto de vista, é que eu estou sem minha cozinheira do coração em casa (minha mamãe está viajando), então, quem está cozinhando para mim sou eu mesma, é dentro destas experiências que eu estou sobrevivendo. Por exemplo: vou jantar agora o meu próprio bifinho, que a forma de preparo foi toda baseada nas idéias que tenho na cabeça e nas conversas que obtive com seres amigos. Está com uma cara bem boa, e modéstia a parte, o gosto também, que inclusive acertei como uma luva (ao menos na minha concepção) na quantidade dos temperos. Ouvi de uma amiga, mais que querida e especial, que é necessário gostar da sua própria comida.

Posso dizer então:

Vitória na cozinha número dois.

Poxa, eu estou com vantagem nesse aspecto, de três tentativas obtive perda total em uma, vitória suprema em outra e vitória na terceira.

Aguardem-me queridos companheiros, e eu garanto:

Nenhum vampiro ia gostar do meu filé.

Bom Apetite, ao menos para mim. Vou jantar agora o meu próprio filé grelhado, que eu mesma vi nascer: senti o cheiro dele cru, eu mesma temperei, e agora vou devorá-lo, ele estando bem passado.

Até a próxima.